Tudo é divino

Nos primeiros dias, tudo era só saudade. Dor e saudade. Eu tinha aquele peso no peito, uma certa claustrofobia. Suspirava sem perceber, chorava sem fazer esforço. Aí acordei e parece que era um sonho. O sonho que você contou eu já nem lembro. O sonho que sonhei virou pesadelo em muitas noites. De tanto aparecer, se transformou em conforto.

Não viro mais o rosto mas muitas vezes te olho como se não mais te desejasse. Gosto de fazer esse teste. Confundo tudo e pergunto mil vezes a mim mesma, como será que a gente sabe, depois de tanto tempo? É tanto tempo, né? As coisas espalhadas, a casa fora de validade, minhas oscilações de humor, sua arrogância.

Claro que somos espelho um do outro, não precisamos de teorias astrológicas para sabermos disso. Isso é simples como a vida. Nossos reflexos, nossa falta de controle sobre o que somos sendo submetida à dominação silenciosa do mundo.

Enquanto olho pela janela do ônibus, sinto uma agonia chata nas pernas, uma vontade de sair correndo, pular fora, arrumar uma maneira de chegar mais rápido.

Onde, você sabe onde? Cansei de esperar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s