Poeminha

A menina cega, meu pai quem disse, apareceu em sonho com medo do meu nariz pequeno para me dizer, como se eu já não soubesse, que eu não minto.

Mas eu minto, será que aviso? Eu minto sim, quem não mente? Eu não aguento a hipocrisia, mas viver é mentir.

Sorrio sem vontade e penso ainda bem, que finjo.

A encenação é o remédio para a longevidade.

Anúncios

Uma opinião sobre “Poeminha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s