Herança

E pensar que um dia você esperou me amar.
Me amar quando eu dava os primeiros passos
e depois quando eu falava as primeiras palavras,
e ainda mais naquele dia,
que eu dava as primeiras mostras da minha personalidade.
E você viu a minha personalidade
e gostou além da conta (do que você esperava para meu futuro).
Você gostou tanto e foi tão genuíno
e aquilo se entranhou na sua carne,
começou a correr no seu sangue.
Entrou nas suas terminações nervosas
que virou quem você é.
Só que eu não consigo.
Ver quem você é.
Eu fico só esperando que seja de verdade;
é uma coisa problemática.
Fico aos 2, aos 10, aos 15, aos 20
e aos 30 eu tento me livrar.
Me livrar da espera.
Do que importa?
Vão me dizer ao final de todo o dinheiro que eu puder pagar.
E eu vou criar meus filhos com esse novo gene ativo, o do excesso.
Terão que saber demais.
Eu vou fingir que a alta que me dei é real até que vou morrer.
Sem saber, então, se você um dia gostou mesmo de mim.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s