Latente

Vivo com a sensação de ter perdido alguma coisa. Olho debaixo da cama, desarrumo as caixas, os vãos, os buracos negros da minha casa todos vasculhados. Já olhei no armário dos sapatos e também não está lá. Não poderia.

A falta é como um cisco no olho, vez por outra esqueço, vez por outra ainda dói.
Vez por outra finjo que estou completa mas, é puro respeito com a paisagem de cá. Agora que já me despedi, ficou fácil entender porque todos amam esse mar, esse sol. Para mim, o que importa é o outono e é a isso que serei sempre grata.

Foi um sonho realizado ver esse azul vivo e generoso. Também amei muito uns cariocas inesquecíveis que se perderam pela geografia mas, estão lapidados no meu coração. E só. Já não sou de lugar algum a tempo suficiente para embarcar no próximo avião com o coração feliz. Mas um coração feliz não significa inteiro. E que coração é inteiro? O meu não é, não quero que seja. Mas isso não quer dizer que ele seja um coração capenga. Meu coração é mais como o rabo da lagartixa; mesmo longe do corpo continua batendo freneticamente.

Meu coração está em toda parte, está debaixo da cama, nos vãos da parede, no jardim de uma casa nova, na areia de uma praia que não frequentei o suficiente para não fazer ciúme ao meu Bessa querido. Nem sempre consigo encontrá-lo mas, estou sempre à sua procura.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s