salt

Se você quer saber,
ainda estou salgada
mas a cuca tá fresca,
como a brisa que me lambeu
a tarde toda, o sol beijando
minha pele cor de leite
toda a água do sonho de sempre
sem pé, nem cabeça
e mais aquela que falta,
deram as mãos dentro e fora:
o sal da terra, do mar, do corpo
transbordando como as desculpas
que invento para ficar
como quando te pergunto
o que você vê em mim
ainda acreditando que
quando você responder
é a mim quem você vai ver
e no fim do dia
esses detalhes que romantizo
e te ofereço
te escrevendo maior
ou melhor do que é
vou pegar de volta e guardar
não quero mais dar
quero, agora, que descubra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s