Umbigo da baleia

Não sei nada de navegação
então como foi que entrei naquele veleiro,
sozinha?
nunca pensei muito
no destino
mas também nunca aproveitei tanto
a paisagem
se eu matar meus antepassados
terá sido pelo motivo certo?
os fantasmas continuam me assombrando
com seus pedidos de liberdade
e sussurram em meus ouvidos
dizendo que no mar
você só escuta a si mesmo
por isso coloquei em uma garrafa velha
o que eu estou pensando
e tampei com a rolha de um vinho barato
que eu costumava tomar
no bar daquela rua de trás
pra não ter mais
que olhar para o que passou

todas as palavras têm em si
cheiro de maresia
e escorregam de mim
como areia fina
estão sob os meus pés
então eu piso sobre elas
e caminho seguindo as sereias
que cantam sobre todas as vezes
que morri
mil vezes
mil vezes
no mar
nas águas do mar
é onde eu quero estar.